REAL CONSULTORIA EMPRESARIAL
 
    Quinta - Feira, 24/04/2014
 
Atividades
Consultoria
Cursos
Cursos in Company
Palestras
Artigos
Consultor Luque
Equipe Consultores
Clientes
Conteúdo
Notícias
Cadastre-se
Eventos Realizados  
Ver os Eventos Realizados
Agenda de Eventos  
CURSOS REALIZADOS São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul
Mês 04 = 28 e 29/04/2014
Local: Aspen Trade Center
Cidade: Maringá/PR
Curso: GPI - Gerenciamento e Gestão da Produção Industrial
Mês 05 = 15 e 16/05/2014
Local: Harbor Hotel
Cidade: Cascavel/PR
Curso: Líder de Produção e Melhorias no Chão-de-Fábrica
Mês 05 = 26 e 27/05/2014
Local: Admita Recursos Humanos
Cidade: Londrina/PR
Curso: Controle de Estoque e Almoxarifado
Mês 05 = 27/05/2014
Local: Hotel Crillom
Cidade: Londrina/PR
Curso: PPCP - Planejamento, Programação e Controle da Produção
Mês 06 = 02 e 03/06/2014
Local: CIESP Bauru
Cidade: Bauru/SP
Curso: Líder de Produção, Liderança e Gerenciamento da Fábrica
Mês 06 = 02/06/2014
Local: CIESP Bauru
Cidade: Bauru/SP
Curso: Controle de Estoque e Almoxarifado
Mês 06 = 07/06/2014
Local: Aspen Trade Center
Cidade: Maringá/PR
Curso: Desenvolvimento Gerencial
Mês 06 = 14/06/2014
Local: Aspen Trade Center
Cidade: Maringá/PR
Curso: Produção e Custos - O que os olhos não vêem, não se gerencia.
Mês 06 = 18 e 19/06/2014
Local: Hotel Harbor
Cidade: Cascavel/PR
Curso: Gestão e Mapeamento de Processos
Agenda Completa
Conteúdo
 
O Sistema VAC como ferramenta de PCP em confecções
XXIII Encontro Nac. de Engenheiro de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 21 a 24 de out de 2003

O Sistema VAC como ferramenta de PCP em confecções:
Estudo de caso

Mariana Moura Nóbrega (UFPB) mariana_nobrega@hotmail.com
Antonio de Mello Villar (UFPB) avillar@producao.ct.ufpb.br

Resumo
As estratégias competitivas baseadas em flexibilidade têm sido fundamentais na busca das empresas por se adaptarem à dinâmica do mercado e se manterem no mesmo. Os meios de atingir este objetivo são muitos e passam pela reformulação dos sistemas de produção e de sua administração. O presente trabalho, em forma de estudo de caso, descreve os principais aspectos e o funcionamento de um novo sistema de administração da produção formulado especificamente para indústria de confecção denominada VAC.

Este sistema se baseia em princípios já conhecidos e largamente aplicados, tais como a filosofia “Just in Time” e a Teoria das Restrições.
Os resultados obtidos pela empresa objeto do estudo e verificados nesta pesquisa são positivos, com destaque para o aumento da eficiência produtiva de 30%para 76%.

Palavras - chave: PCP, Indústria de Confecções, Sistema VAC.

1. Introdução
O aumento da competitividade e das exigências dos consumidores, observadas principalmente a partir do advento da globalização, tem levado as empresas a mudar suas estratégias na busca por vantagens competitivas, sendo a flexibilidade um dos fatores estratégicos fundamentais no contexto atual.
A obtenção de flexibilidade na produção, sem perdas de eficiência e produtividade é um dos maiores desafios para as empresas do ramo de confecções, que normalmente trabalham com grande variedade de produtos, por um curto período de tempo, devido às variações da moda.
O sistema VAC – Velocidade de Atravessamento Constante – é um novo sistema de
Administração da produção, específico para o ramo de confecções, que se propõe a solucionar esta questão utilizando o balanceamento do fluxo produtivo por carga e alguns dos princípios das filosofias Just in Time (JIT) e da Teoria das Restrições.
O objetivo deste trabalho é descrever os princípios básicos do sistema VAC através do estudo de caso realizado em uma empresa de confecções de pequeno porte (quanto ao número de funcionários), que implantou o sistema VAC no ano de 2000.

2. O Sistema VAC – Velocidade de Atravessamento Constante
O sistema VAC foi criado por Caetano Caruso e Nélio Dias em 1989 e consolidado durante 2anos em uma Camisaria, tendo sido implantado a primeira vez na Walery Confecções em Juiz de Fora - MG em 1993. Atualmente são produzidas cerca de 13.000.000 peças/ano com esta metodologia. A proposta do VAC é diminuir o tempo de produção (lead time), garantir previsibilidade, equilibrar a capacidade, diminuir os passivos operacionais e conferir flexibilidade à produção (SISTEMA VAC, 2002).
A maioria das confecções tem sua produção dividida em três etapas básicas: o corte, a costura e o acabamento. O sistema VAC propõe mudanças em aspectos da administração da produção nas etapas de costura e acabamento, onde costuma haver as maiores dificuldades de planejamento, programação e acompanhamento da produção, devido à maior variedade de equipamentos e operações realizadas nestes setores.

3. Caracterização da empresa
A empresa objeto do estudo de caso é uma confecção de moda praia e aeróbica localizada em uma capital nordestina. A gama de produtos fabricados é grande e os modelos são mudados, aproximadamente, a cada quatro meses. O número de funcionários varia entre 50 e 60 ao longo do ano, devido à sazonalidade da demanda de seus produtos, sendo de 20 a 30 funcionários dos setores de costura e acabamento.
Com a implantação do VAC esses setores foram divididos em três mini-fábricas, ou células, cada uma com dez pessoas: um supervisor, denominado líder da mini-fábrica, oito operadores de máquinas, que também exercem funções de acabamento, e o montador de carrinhos, responsável pela preparação dos lotes de costura e pelo controle de qualidade.
Desde a implantação do VAC, a eficiência produtiva da empresa passou de 30% para 76%.
Entendendo-se a eficiência produtiva como a relação entre a produção efetiva e a capacidade produtiva dos operadores.
Para demonstrar as principais práticas adotadas com a implantação do sistema VAC, foi escolhido um produto, considerado pela empresa como de simples execução e, aqui, denominado Biquine X. Em seguida, apresenta-se as etapas de elaboração da planilha de seqüência operacional, determinação do tempo padrão e do tamanho do lote de costura, balanceamento da carga e disposição das máquinas e aparelhos referentes a este produto.

4. Funcionamento do VAC
4.1. Elaboração da planilha de seqüência operacional (PSO)
Como especificado em Sistema VAC (2002), a implantação do sistema começa pela
Elaboração da planilha de seqüência operacional de cada produto, na qual as operações são descritas, divididas em fases e partes e classificadas em encadeadas ou dependentes,
Simultâneas ou independentes, para que se possa determinar o meio de execução dentro dos times. Essa classificação também pode ser representada pela relação de dependência entre as operações. Na tabela 1, verifica-se a PSO do Biquine X.

PRODUTO: Biquine X

PARTES FASES DESCRIÇÃO OPERAÇÕES MAQ DEPENDÊNCIA
1 Unir fundos e laterais calça OV3
2 Chulear calça c/ etiq OV3 1
3 Colocar elástico calça OES 2
4 Rebater elástico calça GOL 3
5 Travetar calça TVT 4
6 Limpar e revisar calça MAN 5
7 Chulear sutien c/ etiqueta OV3
8 Colocar viés GOLV 7
9 Fazer bainha sutien RT1 8
10 Fazer rolotê ROL
11 Limpar sutien MAN 9
12 Colocar rolete MAN 10 e 11
13 Revisar sutien MAN 12
Fonte: Pesquisa direta
Tabela 1: Planilha de Seqüência Operacional (PSO)

4.2. Determinação do tempo padrão
Na empresa em estudo, a determinação do tempo padrão de um produto é feita a partir da cronometragem de quatro ciclos de cada operação de costura e acabamento que compõe o produto. O operador escolhido para o estudo é um, cujo ritmo é considerado mediano.

Adiciona-se, então, a tolerância ao tempo médio das leituras, para inserir a estimativa do Tempo de ociosidade e do tempo de preparação de layout, máquinas e equipamentos (set up).

As tolerâncias usadas são 18% para operações em máquinas.
Quando alguma discordância entre tempo padrão calculada e tempo real de execução é detectada durante o processo, o cronoanalista é acionado para refazer as tomadas de tempo.

Quando pertinente, o cronoanalista, o operador e o lider, estudam um melhor método de execução da operação e/ou uma melhor disposição dos componentes no carrinho.

Observa-se que o método da empresa não obedece todos os passos propostos por Barnes. O número de ciclos a ser cronometrado foi definido com base na experiência do gerente de produção e do cronoanalista, sob a alegação que o custo para efetuar o método corretamente não seria absorvido pelo pequeno volume de produção da empresa. O estudo do método de execução das operações não é institucionalizado e também se dá de forma intuitiva, com base na experiência dos operadores, do montador de carrinho e do cronoanalista.

4.3. Determinação do tamanho do lote de costura
O tamanho do lote de costura é calculado de forma a totalizar 30 (trinta) minutos de produção.

Isto melhora o fluxo e facilita o acompanhamento da produção, que passa a ser feito a cada 30 minutos.

O tamanho do lote de costura (TL) de cada produto é, então, calculado a partir da
Seguinte expressão: TL = (Nº de operadores * 30 minutos) / tempo padrão

O valor obtido é sempre arredondado para o inteiro inferior. Assim, no exemplo em questão, como há 8 operadores, o tamanho do lote será: TL = 8 * 30 / 9,00 = 26,7 → TL = 26 peças

O lote de costura é o conjunto de todas as partes que compõem o produto final, sendo
Conduzido no perímetro da mini-fábrica por um módulo de transporte (carrinho), que foi desenvolvido pela empresa.

4.4. Balanceamento de Carga
O balanceamento é feito com base na carga, ou seja, na capacidade de produção dos
operadores. As operações são distribuídas entre os operadores, de tal forma que, cada um seja responsável por uma ou mais operações, totalizando aproximadamente trinta minutos. Esta divisão é feita com base nas informações da planilha de seqüência operacional (PSO), nos tempos-padrão de cada operação e no tamanho do lote. Apesar do lote de costura ser único, as partes são processadas separadamente para evitar o encadeamento indevido de operações e o desbalanceamento no processo.

OPERADOR MAQ OPERAÇÃO TEMPO UNIT TOTAL PEÇAS CARGA
A OV3 1 0,71 26 18,46
A OV3 2 1,56 7 10,92
Tempo do operador A 29,38
B OV3 2 1,56 19 29,64
Tempo do operador B 29,64
TEMPO DO TIME 1 59,02
OPERADOR MAQ OPERAÇÃO TEMPO UNIT TOTAL PEÇAS CARGA
C OES 3 0,76 26 19,76
C GOL 4 0,76 13 9,88
Tempo do operador C 29,64
D GOL 4 0,76 13 9,88
D OV3 7 0,74 26 19,24
Tempo do operador D 29,12
TEMPO DO TIME 2 58,76
OPERADOR MAQ OPERAÇÃO TEMPO UNIT TOTAL PEÇAS CARGA
E TVT 5 0,29 26 7,54
E VIE 8 1,20 18 21,60
Tempo da operadora E 29,14
F VIE 8 1,20 8 9,60
F RT1 9 0,25 26 6,50
F ROL 10 0,25 26 6,50
F MAN 6 0,7 10 7,00
Tempo da operadora F 29,60
TEMPO DO TIME 3 58,74
OPERADOR MAQ OPERAÇÃO TEMPO UNIT TOTAL PEÇAS CARGA
G MAN 6 0,70 16 11,20
G MAN 11 1,38 13 17,94
Tempo da operadora G 29,14
H MAN 11 1,38 13 17,94
H MAN 12 0, 25 26 6, 50
H MAN 13 0, 15 26 3, 90
Tempo da operadora H 28,34
TEMPO DO TIME 4 57,48
Fonte: Pesquisa direta
Tabela 3: Balanceamento do Biquine X

4.5 Layout

Depois de feito o balanceamento, é definido o layout da “mini-fábrica” para a produção do modelo. A disposição de máquinas e operadores é feita de forma que o fluxo seja contínuo, sem retrocessos dentro dos times e entre eles. Esta medida possibilita a produção de uma grande variedade de modelos com alta eficiência, pois a “mini-fábrica” “se especializa” em cada produto que deve fabricar. As máquinas da fábrica foram equipadas com rodinhas para facilitar as mudanças de layout. No piso da fábrica foram pintadas pistas, que delimitam as áreas de cada mini-fábrica e por onde circulam os carrinhos.
Cada time tem dois carrinhos, um sendo processado e outro de reserva para absorver pequenas variações no fluxo entre os times. Assim, se não ocorrerem imprevistos, tais como quebras de máquinas e falhas de modelagem ou corte, não há formação de gargalos, nem operadores ociosos. A divisão dos operadores em times reduz o volume em processo, pois haverá um lote de costura sendo processado para cada conjunto de operadores (time) e não mais um lote para cada operador ou operação. Entre os times há quadros suspensos onde o líder da mini-fábrica anota as informações necessárias à produção de cada carrinho: nome dos operadores, operações, máquinas, tempo das operações, avaliação dos operadores, o que o operador fará com seu tempo disponível e movimentação dos operadores. Assim, todos sempre sabem quando e o que devem fazer. A cada trinta minutos o material em processo é reunido novamente no carrinho e encaminhado para o time seguinte. Então, um dos operadores anota no quadro do seu time a informação de conclusão do carrinho. Caso ocorra algum problema, que interrompa o fluxo, os operadores dos outros times devem ajudar a normalizá-lo, pois não é permitido “pular” carrinhos. A causa do problema também deve ser registrada no quadro.

5. Considerações Finais

5.1 Competindo através da Flexibilidade

Atualmente a flexibilidade é uma característica essencial para a garantia de competitividade, pois permite a adaptação das empresas ao mercado globalizado, que é dinâmico, exigente e mutante. Segundo Di Serio e Duarte (1999), a flexibilidade, assim como a qualidade, apresenta inúmeras dimensões, entre as quais: flexibilidade de novos produtos (desenvolvimento e introdução de novos produtos); flexibilidade de mix (habilidade de mudar a gama de produtos); flexibilidade de entrega (capacidade de alterar prazos de entrega, através da flexibilidade da programação da produção); flexibilidade de volume (habilidade de mudar o volume de saídas, como nos casos de produtos sazonais); e flexibilidade de recursos humanos (polivalência da mão-de-obra). A confecção objeto do estudo alcançou estas dimensões da flexibilidade com a implantação do sistema VAC, o que tem colaborado para seu posicionamento competitivo no mercado. Santini, Godoy & Gomes (1998) acreditam que a polivalência da mão-de-obra merece especial atenção, pois “... é nestes sistemas flexível ou versátil que a polivalência funcional torna-se mais evidente, e até mesmo imprescindível”. De fato, a implantação do VAC na empresa estudada impôs a necessidade da mão-de-obra se tornar polivalente, especialmente os operadores de máquinas. Para tanto a empresa investiu no treinamento dos operadores, para que se tornassem capazes de operar diferentes máquinas e exercer funções de acabamento.
Aqueles que não conseguiram se adaptar foram substituídos. Esta dificuldade pode se dever em grande parte ao baixo nível de escolaridade dos empregados neste setor. Carvalho e Serra (1998) apresentam números do setor de vestuário do Brasil: trabalhadores com nível superior são apenas 2%, enquanto 84% completaram o 1º grau e 10% não têm instrução alguma.




5.2. Filosofia JIT/TQC

Segundo Tubino (1997), os objetivos da filosofia JIT são: satisfazer as necessidades dos
clientes reduzindo custos, produzindo pequenos lotes com qualidade e tendo flexibilidade de mix e entrega; eliminar desperdícios: superprodução espera movimentação e transporte, processamento, estoque, movimentos improdutivos e defeitos; melhorar continuamente (kaisen): meta de zero defeito, zero estoque, zero de movimentação, zero de lead time, zero de tempo de set up e lotes unitários; organização e visibilidade: reformulação de layouts, padrões de higiene e de segurança favorecem a luta contra desperdícios e a motivação das pessoas.
O sistema de produção em um ambiente JIT é denominado sistema de produção “puxada”, o que significa que a produção só começa quando há uma demanda, desencadeada com a solicitação do cliente, interno ou externo (LUBBEN, 1989). Já nos ambientes convencionais, a produção é dita “empurrada”, pois é disparada pela emissão de ordens de produção à primeira etapa operacional e continua à medida que as operações vão sendo concluídas.

Embora o sistema de produção praticado com o VAC seja a
produção “empurrada e puxada”, o método assimilou
outros aspectos da filosofia JIT, tais como a reformulação dos layouts, com a divisão das máquinas e operadores em mini fábricas e times. Isto promove uma melhor organização dos recursos e, conseqüentemente, melhor visibilidade de
problemas.

Observou-se também que a implantação do VAC proporcionou redução de tempo no fluxo das operações; melhoria de previsibilidade; redução de estoques; redução de custos; identificação de problemas pela exposição dos gargalos; e maior confiabilidade de entrega e de qualidade. Além disso, houve uma sensível redução dos desperdícios, especialmente aqueles resultantes de esperas, estoques em processo, movimentação e transporte.

5.3. Teoria das Restrições

De acordo com Antunes Junior e Rodrigues (1998), a Teoria das Restrições, desenvolvida originalmente por Goldratt, propõe a utilização de cinco passos para atingir a meta das empresas, “... que consiste em ganhar dinheiro hoje e no futuro.”:

1) Identificar a(s) restrição(ões) do sistema; utilizar, da melhor forma possível, a(s) restrição(ões) do sistema;
2) Subordinar todos os demais recursos à decisão tomada no passo 2;
3) Elevar a capacidade da(s) restrição(ões);
4) Voltar ao passo 1, não deixando que a inércia tome conta do sistema. As restrições podem ser externas ao sistema produtivo, ligadas ao mercado, ou internas, normalmente relacionadas a gargalos na produção.
5) A principal contribuição da Teoria das Restrições para o sistema VAC é observada no método de balanceamento, que impede a formação de gargalos.



5.4 Vantagens e desvantagens do VAC

Redução do Lead time.
Necessidade de grande número de máquinas
Equilíbrio da capacidade - fim da ociosidade da mão-de-obra.
Aumento da produtividade
Necessidade de mão-de-obra polivalente:
Dificuldade - baixo nível de escolaridade
Controle visual da produção a cada 30 min.- quadros suspensos Ociosidade de máquinas
Limpeza e organização - Previsibilidade
Rápida identificação de desvios e responsabilidades
Necessidade de mecânico em tempo integral – mudança de layouts - muitos set ups. Redução dos estoques em processo.
Maior envolvimento das pessoas.
Facilidade de avaliação e premiação das equipes.
Eficiência satisfatória apenas para cortes relativamente grandes - absorção do tempo de set up.

6. Conclusões e Sugestões

Na empresa estudada as vantagens proporcionadas pelo VAC mostraram-se superiores às desvantagens. No entanto o método de determinação do tempo padrão, que é à base do balanceamento e um importante fator para o bom desempenho do sistema, apresenta falhas. A falta de precisão nos valores pode estar imprimindo um ritmo de produção inferior ou superior aquele considerado ideal, o que pode provocar perdas de produtividade ou excesso de esforços para os operadores. Ambas as situações são negativas. Sugere-se, portanto, que o método de determinação do tempo padrão seja aplicado corretamente. Esta medida deve compensar seu custo com o aumento da produtividade dos produtos cujos tempos padrão está inferiores aos tempos reais e com o aumento da satisfação dos operadores, aliviados das pressões de tempos padrão exageradamente reduzidos.

7. Referências Bibliográficas

ANTUNES JUNIOR, J. A. V.; RODRIGUES, L. H. Teoria das Restrições: Uma análise das ações de melhorias necessárias para levantar a capacidade das restrições. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 1998, Niterói. Anais... Niterói, 1998. 1 CD. BARNES, R. M. Estudo de Movimentos e de Tempos: Projeto e Medida de Trabalho. São Paulo: Edgard Blücher, 1963.
CARVALHO, M. M.; SERRA, N. Estratégias Competitivas da cadeia têxtil e vestuário paulista. In:
ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 1998, Niterói. Anais... Niterói, 1998. 1 CD.
DI SERIO Luiz Carlos; DUARTE, André Luís de C. M. Competindo em tempo e flexibilidade - casos de empresas brasileiras. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 1999, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 1999. 1 CD.
LUBBEN, R. T. Just-in-time: uma estratégia avançada de produção. São Paulo: Mc Graw-Hill, 1989.
SANTINI, B.; GODOY, L. P.; GOMES, L. A. V. N. A Polivalência Funcional na indústria brasileira: Um estudo de caso. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 1998, Niterói.
Anais... Niterói, 1998. 1 CD.
SISTEMA VAC: Site oficial da empresa. Disponível em: http://www.vacnds.com.br. Acesso em: 15 fev. 2002.
TUBINO, D. F. Manual de Planejamento e Controle da Produção. São Paulo: Atlas, 1997.

Consulte-nos para maiores detalhes.

 
 
 
 
Projetos
Projeto Setorial
União gera resultados...
Grupo de empresas participa de treinamentos com consultoria acoplada para melhoria da Produtividade e Qualidade fábrica.
Ver Projeto
Projeto Municipal e Regional
Projeto Municipal e Regional colocando as lideranças e empreendeores em foco...
As entidades Empresariais, Políticas e Empreendedores do município e região se unem para a realização de um projeto que incentiva a criação de novas empresas indústrias e comerciais além do fortalecimento das empresas já nstaladas.
Ver Projeto
Projetos Consultoria Plano de Ação...
Objetivo: Facilitar a tomada de decisão da empresa na implementação de Projetos de Melhoria e Redução de Custos.
Ver Projeto
Nossos Parceiros
Luque Real Contabil
Contabilidade e Auditoria
VIP SISTEMAS SOFTWARE
Consultoria e Sistemas
Admita Recursos Humanos
Consultoria de RH
Jurídico
Advocacia Lopes, Santos e Giroto
ATUAL SISTEMAS SOFTWARE
Consultoria e Sistemas
O EVANGELHO EM 3 MINUTOS
uma mensagem para quem tem pressa
EFRAIM Marcas e Patentes
Registre sua marca...
Tangran Consultoria
Sistemas de Gestão da Qualidade.
RHGEST Recursos Humanos
Gestão Estratégica de RH
TRILHA AO SUCESSO
Gilmar Coutinho
Visitante nº 2359